sexta-feira, 23 de agosto de 2013

Revitalização da Lapa atrai cada vez mais lucros

23/08/2013 - O Dia, Aurélio Gimenez e Stephanie Tondo

Em constante processo de revitalização, o Rio Antigo atrai cada vez mais empreendedores. A região, que engloba Lapa, Cinelândia, Rua do Lavradio, Praça Tiradentes, Largo de São Francisco e Rua da Carioca, já era famosa pelos antiquários, casas noturnas e gastronomia, e atualmente tem recebido também novos empreendimentos imobiliários, além de serviços, como academias de ginástica e lavanderias.

Presidente do Polo Novo Rio Antigo, Isnard Manso explica que a associação é multissetorial. "O polo começou liderado pelo antiquariato, mas hoje tem também restaurantes, lavanderias, escritório de design e hotéis, entre outros", diz.

Segundo ele, a revitalização começou a partir de uma iniciativa das casas noturnas, bares e restaurantes da Rua do Lavradio. "Os empresários buscaram revitalizar essa região, que estava degradada, inicialmente sem apoio do poder público", conta.

Atualmente, a prefeitura tem voltado suas atenções para o Centro: não apenas o Rio Antigo, mas também a Região Portuária. Para Isnard, porém, ainda falta estrutura, como iluminação, segurança e limpeza das ruas.

Secretário municipal de Desenvolvimento Econômico Solidário, Vinícius Assumpção reconhece que ainda há muito a fazer, mas afirma que já houve melhorias: "A prefeitura tem apostado em infraestrutura no Centro".

Comerciantes da Lapa pedem redução de ISS

Proprietário do bar Rio Rock & Blues Club, Marcelo Reis aposta na região, mas diz que legislação está desatualizada para novos empreendimentos

Autor do livro 'Até que enfim é segunda-feira', o empresário e proprietário do bar Rio Rock&Blues Club, há cinco anos na Rua do Riachuelo, Marcelo Reis, assegura que a experiência é condição indispensável para empreender na Lapa. Segundo ele, a região tem um público eclético e o investidor deve definir bem o perfil do seu negócio para obter sucesso e saber tirar proveito da diversidade da região.

"Os maiores problemas são os imóveis com ocupação irregular e sem escritura. Esses prédios não podem se tornar negócios legalizados e viram informais de baixa qualidade, comprometendo o desenvolvimento da região, pois ninguém está disposto a investir num imóvel com problemas", ressalta.

Ele lembra ainda que a região merecia uma legislação específica para permitir mais casas de shows, boates e restaurantes com música ao vivo. "Apesar da boa vontade do poder público, a legislação vigente acaba impedindo que imóveis históricos abriguem mais negócios dessa natureza em função da estrutura antiga", explica Marcelo Reis.

Hoje, o Polo Novo Rio Antigo tem 62 empreendimentos associados. Um dos fundadores da associação e sócio do grupo Rio Scenarium - que tem ainda os restaurantes Mangue Seco e Santo Scenarium - Plínio Fróes diz que a relação com a prefeitura melhorou nos últimos anos.

"Boa parte das nossas reivindicações tem sido atendida, como a reabertura da Lapa nos fins de semana, que foi positiva para os empresários. Agora pleiteamos a redução do ISS (Imposto sobre Serviços) de 5% para 2%, uma isonomia com os empreendimentos do Porto Maravilha", aponta o diretor de comunicação da associação.

Para Fróes, a região ainda tem muito a crescer, pois existem vários imóveis abandonados, fechados ou subocupados. O animador cultural destaca que melhorar o centro histórico de um município é o melhor investimento que o poder público e o empresário podem promover em prol desta mesma cidade.

Movimento cresce na Feira do Lavradio

A Feira do Rio Antigo acontece sempre no primeiro sábado do mês, na Rua do Lavradio. Com cerca de 350 expositores, a feira recebe 20 mil visitantes por edição. Além das barracas, que oferecem os mais variados produtos, há ainda a presença de artistas de rua e exposições.

Artesã e integrante da feira há cerca de um ano, Angela Macedo Vallejos oferece, com o marido Alfredo, sacolas de pano feitas a mão. Ela conta que consegue vender até R$ 2 mil por dia. "O faturamento é bom, mas esse dinheiro precisa ser reinvestido na compra de material para produzir as bolsas", explica. Os modelos custam de R$ 10 a R$ 45.

Para Angela, a revitalização do Rio Antigo foi fundamental para o crescimento da feira e o desenvolvimento do comércio nas proximidades da Lapa. "O movimento aumenta a cada mês, a feira está crescendo muito. E não tem apenas turistas, tem muito morador do Rio também, que vem passear. O carioca está redescobrindo a cidade", afirma.

Academias de ginástica são o novo boom

Além das inúmeras casas noturnas, empreendedores investem agora em serviços na Lapa. São hotéis, lavanderias e academias de ginástica, entre outros.

Inaugurada em abril na Rua do Riachuelo, a Gift Club apresenta proposta inovadora de academia. Com investimento de R$ 1,5 milhão e em dois mil metros quadrados, o empreendimento oferece ao morador ou trabalhador da Lapa uma série de atividades no segmento de saúde e fitness. A previsão é alcançar, até o fim do ano, 2.750 alunos inscritos.

Estabelecimentos de gastronomia e arte ajudam a aquecer o polo

Localizado no número 34 da Rua do Lavradio, em um casarão construído no século XVIII, o Ateliê Belmonte está completando 15 anos. A data será comemorada com um coquetel nesta quinta-feira, dia 22, a partir das 18h, quando o ateliê também receberá a exposição Retratos Imperiais.

Inaugurado em 2007 na Rua do Riachuelo, o Lapa 40 Graus investiu recentemente R$ 800 mil em reformas. "Temos a preocupação de fortalecer a cultura, a música e a dança na região", diz Carlinhos de Jesus, sócio-diretor do estabelecimento.

Um dos pontos mais tradicionais do Rio de Janeiro, a Confeitaria Colombo, fundada em 1894, na Rua Gonçalves Dias, também faz parte do polo.

Para quem quer apreciar diferentes tipos de cachaça, o bar e restaurante Mangue Seco, na Rua do Lavradio, é a pedida, com mais de cem tipos de cachaça diferentes.

Recentemente, o polo recebeu cinco novos associados: Só Kana, Botequim Belmonte, Boteco da Garrafa, Antonio's Bar, na Avenida Mem de Sá, e Botequim Docari, na Lavradio.

Nenhum comentário: