quinta-feira, 24 de outubro de 2013

Engenheiro que construiu a Perimetral lamenta a demolição

24/10/2013 - O Globo

Emílio Ibrahim acredita que construção de mais de 30 anos poderia ser somada à revitalização da Zona Portuária

PAULO ROBERTO ARAÚJO 

O engenheiro Emílio Ibrahim foi secretário de Obras do antigo Estado da Guanabara, no governo Chagas Freitas
Foto: Pablo Jacob / O Globo
 O engenheiro Emílio Ibrahim foi secretário de Obras do antigo Estado da Guanabara, no governo Chagas Freitas Foto: Pablo Jacob / O Globo
O engenheiro Emílio Ibrahim foi secretário de Obras do antigo Estado da Guanabara, no governo Chagas Freitas Pablo Jacob / O Globo

RIO - Ele se emociona quando fala da demolição da Perimetral. Aos 88 anos, mas com a saúde em dia, o engenheiro Emílio Ibrahim conta com detalhes as dificuldades e as vitórias que teve para construir o elevado entre a Praça Quinze e o Gasômetro. Secretário de Obras do antigo Estado da Guanabara no governo Chagas Freitas (1971-1975), Ibrahim começou e deixou prontas 80% das obras do elevado, que foram concluídas e inauguradas pelo governador do novo Estado do Rio, Faria Lima, em 1978, após a fusão dos dois estados.

— Sou a favor da revitalização da Zona Portuária, só tenho aplausos, mas não concordo com a demolição da Perimetral. Tenho certeza de que a obra só poderia somar no projeto de revitalização, porque liga dois eixos importantes da cidade e fica no coração urbano do Rio — diz.

Quando foi nomeado secretário de Obras, Ibrahim abraçou o antigo projeto de ligação da Zona Sul do Rio com a Avenida Brasil e com a futura Ponte Rio-Niterói. Até então, existia apenas um viaduto — hoje trecho da Perimetral — entre o Aeroporto Santos Dumont e a Praça Quinze, com alças de entrada e saída próximo à Candelária.

— O projeto começou no antigo Distrito Federal e estava parado havia 20 anos porque o Ministério da Marinha não admitia que o elevado passasse sobre as instalações do Primeiro Distrito Naval. Eu tinha uma boa relação com o então ministro dos Transportes, Mário Andreazza, que ajudou na busca do financiamento para a obra. Escolhi, então, um bom técnico, o engenheiro Renato da Silva Almeida, para comandar o Departamento de Estradas de Rodagem e executar a obra — recorda.

Ibrahim lembra que naquela época havia a preocupação de se construir um elevado para tirar do Centro o tráfego pesado entre a Zona Sul e a Avenida Brasil:

— Havia uma preocupação com o caos após a inauguração da Ponte Rio-Niterói. Por isso se projetou a Perimetral. O projeto era muito ousado para a época. As vigas de aço foram encomendadas à Companhia Siderúrgica Nacional. Fui a Volta Redonda várias vezes para negociar a compra das vigas. Era uma tecnologia única na época. Foi uma obra muito bonita e muito bem.
Morador do Leblon, Ibrahim trabalhou na conclusão das obras do Maracanã. Mas guarda em casa fotografias e documentos da construção da Perimetral, que usa quando viaja para o interior.

— Como a maioria do povo, acho um absurdo a demolição da Perimetral. As outras opções não vão funcionar porque o tráfego não vai fluir livremente como flui no elevado. Fico triste com essa coisa absurda que é a derrubada da obra — conclui.

Leia mais sobre esse assunto em http://oglobo.globo.com/rio/engenheiro-que-construiu-perimetral-lamenta-demolicao-10525276#ixzz2igayUtOP 
© 1996 - 2013. Todos direitos reservados a Infoglobo Comunicação e Participações S.A. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização. 

Nenhum comentário: