segunda-feira, 4 de agosto de 2014

Preços dos imóveis no entorno do corredor do BRT Transcarioca devem subir entre 15% e 20% até o fim do ano

03/08/2014 - Extra - RJ

Quem mora num raio de um quilômetro ou leva dez minutos de caminhada até uma estação do BRT Transcarioca pode esperar. Até o fim do ano, o valor de seu imóvel deverá se valorizar entre 15% e 20%.

— Estamos acompanhando pelo Sindicato da Habitação do Rio (Secovi Rio), até porque o BRT começou a rodar agora. Mas, com certeza, haverá um aumento nos preços dos imóveis — afirma Leonardo Schneider, vice-presidente do Secovi Rio.

Na comparação dos valores médios do metro quadrado de apartamentos de um a quatro quartos para a venda, os bairros no entorno do BRT tiveram uma alta significativa entre julho de 2013 e julho de 1014. É o caso, principalmente, de Vicente de Carvalho (16,8%), Olaria (14,6%) e Ilha do Governador (13,8%), onde a valorização dos imóveis representou mais do que o dobro da média na cidade (6,4%):

— Esses bairros são o miolo da Zona Norte, onde sair e entrar é complicado. Quando se reduz o tempo de viagem, a procura e os preços de imóveis são afetados. O anúncio da implantação e a construção influenciaram a alta generalizada — afirma Leonardo.

Para Claudio Hermolin, vice-presidente da Associação dos Dirigentes de Empresas do Mercado Imobiliário (Ademi), o investimento em mobilidade dará retorno positivo aos moradores, assim que todas as estações estiverem prontas e interligadas com o metrô:

— Historicamente percebemos a valorização de imóveis acima da média quando estão perto de estações de metrô e de BRT. Vira um benefício para o morador porque ele tem mais acessos ao bairro. Agora é um bom momento para comprar imóvel nessas regiões.

O auxiliar de depósito Antonio dos Santos, de 29 anos, diz que a vida ficou mais prática:

— O lado bom é que os BRTs são mais rápidos do que os ônibus comuns, porque não pegam engarrafamento. E eles levam a lugares mais distantes. Antes, tínhamos que pegar mais de um ônibus.

Síndica do Residencial Vicente de Carvalho, a corretora Sônia de Oliveira, de 45 anos, aposta na valorização de seu imóvel até o fim das obras:

— Hoje, ele já está em R$ 290 mil, mas, quando tudo estiver pronto, deve passar de R$ 300 mil.

Nenhum comentário: