quinta-feira, 26 de agosto de 2010

Morar Carioca: prefeitura dá início à urbanização de morros da Coroa e São José Operário

URBANIZAÇÃO


Publicada em 25/08/2010 às 23h41m
O Globo
    RIO - Sucessor do Favela-Bairro, oprograma Morar Carioca começa na prática nesta quinta-feira, conforme mostra reportagem de Selma Schmidt, na edição desta quinta-feira do GLOBO. Pela manhã, o prefeito Eduardo Paes dá arrancada às obras de urbanização das duas primeiras favelas beneficiadas pelo novo programa: nos morros da Coroa, sobre e junto ao Túnel Santa Bárbara, no Catumbi e em Santa Teresa; e de São José Operário, na Praça Seca, em Jacarepaguá. As ações irão além de novas ruas, praças, creches, coleta de lixo, gabaritos, limites, iluminação e redes de serviços públicos (água, esgoto e drenagem). Como a cidade formal, as comunidades terão equipamentos públicos conservados e serão alvo de operações "Choque de Ordem". Na Coroa e em São José Operário, serão gastos R$ 50 milhões.
    - Ampliamos o conceito de intervenção. No Morar Carioca, as residências têm um peso maior. Serão implantadas ligações domiciliares de esgoto e de água - explica o secretário de Habitação, Pierre Batista.
    Nos 82.511 metros quadrados do Morro da Coroa vivem 6.904 moradores em 1.726 casas. Segundo Pierre, as obras na favela vão durar 18 meses e custarão R$ 16,5 milhões. Só de praças serão construídas cinco. A favela, que ainda não tem uma creche, vai ganhar uma. Com 247.152 metros quadrados, em São José Operário vivem 6.472 pessoas em 1.718 casas. Lá, as obras custarão R$ 34 milhões e durarão 24 meses.
    Outras 21 favelas ou complexos deverão se somar à Coroa e a São José Operário, entrando em obras até 2012. Caso do Morro da Providência/Pedra Lisa, que ganhará até teleférico (com estações na Central, na Cidade do Samba e na favela) e plano inclinado (a partir de escadaria no alto da favela). O edital de licitação das obras, orçadas em R$ 119 milhões, foi lançado anteontem. As intervenções no morro devem começar em 90 dias, se estendendo por até três anos.
    Leia a íntegra desta reportagem na edição de O Globo digital (disponível somente para assinantes)

    2 comentários:

    Anônimo disse...

    As obras estão bem adiantadas mas o tempo para serem concluídas esta muito duvidosa quanto a construção da sede da UPP na comunidade não serviu para morador nenhum pois os policiais deixam os moradores entregue ao trafico o dia e as noites principalmente o Senhor Beltrame não esta garantindo os moradores a UPP está de enfeite não fazem ronda dentro da comunidade já teve uma morte e um espancamento já com a sede da UPP instalada. Eles recebem para não circular, Pedimos ajuda. a força pacificadora trabalha para o trafico recebem um salario melhor não e caso isolado e muito verdadeiro socorro socorro socorro socorro.

    Favela Morro da Coroa.

    Anônimo disse...

    A Presidente Dilma Rossef na sua campanha para a presidência junto com o ex presidente Lula, lançou o Morar Carioca, Obras do PAC visando levar para as comunidades moral, respeito, dignidade, saúde, higiene, luz, água, esgoto, creche, escola, garantia para nós moradores de morros, favelas e comunidades terem uma vida melhor com o direito a uma sociedade junto as pessoas da rua de classes médias e altas, mas não é isso que acontece na realidade. O senhor Beltrame no seu governo prometeu diminuir até acabar se possível com o tráfico, mas a verdade é que nós moradores continuamos entregues a eles e as ordens sendo dadas e compridas(o tráfico). A UPP em morro nenhum deu resultado positivo, esses policias são intimados e avisados pelo tráfico que se insistirem em ficar na área eles morrem, porque a força maior é do tráfico e não da policia.