sábado, 21 de julho de 2012

Aquário que seria inaugurado em agosto na Zona Portuária ainda não saiu do papel

20/07/2012 - O Globo

AquaRio deveria ser erguido na área do antigo frigorífico da Cibrazem, mas se construtora não começar obra até outubro pode perder concessão do imóvel.

Montagem com foto de Domingos Peixoto e imagem de divulgação O Globo
RIO - A revitalização da Zona Portuária começa a despontar no entorno da Praça Mauá e das avenidas Barão de Teffé e Venezuela, onde parte das obras do projeto Porto Maravilha surge na paisagem. Mas perto dali, na Avenida Rodrigues Alves, um projeto vinculado à reestruturação da região ainda caminha a passos muito lentos: a construção do AquaRio, um aquário marinho que seria erguido no antigo frigorífico da Cibrazem. Previsto para ser inaugurado em agosto, o aquário nem mesmo começou a ser construído. Agora, a construtora que está à frente do projeto já fala em concluir as obras em 2014.

Segundo a Companhia de Desenvolvimento Urbano da Região do Porto do Rio (Cdurp), os projetos do AquaRio estão prontos e aprovados. Mas a construtora Kreimer, responsável pela obra, precisaria começar as intervenções no frigorífico até outubro, sob pena de perder a concessão do imóvel:

Aquele é um prédio municipal, que foi cedido ao setor privado em 2009. Eles têm até outubro para dar início efetivo às obras. O projeto está aprovado. As demolições de parte do imóvel começaram mas pararam. Pelo contrato, a prefeitura pode tomar o prédio se achar conveniente explica o presidente da Cdurp, Jorge Arraes.

O presidente da construtora Kreimer, Roberto Kreimer, admite que as obras estão atrasadas. Segundo ele, a empresa optou por dar um freio ao projeto porque não via sentido em iniciar a construção com as intervenções do projeto Porto Maravilha acontecendo simultaneamente no entorno. Segundo ele, o novo prazo de inauguração do aquário será outubro ou novembro de 2014.

O aquário precisa ser inaugurado com a Zona Portuária funcionando. Não adianta colocar um empreendimento desses para funcionar com tudo fechado ou em obras em volta. Estamos acompanhando de perto o andamento da revitalização do Porto Maravilha. Desde 2009, muita coisa evoluiu. Estamos alinhando nossos prazos aos das obras que estão em curso justifica Kreimer.

Segundo o presidente da construtora, todas as demolições necessárias já teriam sido feitas no velho frigorífico, cuja fachada não pode ser modificada por ser tombada por decreto municipal. Ele diz, ainda, que pretende iniciar a construção do empreendimento no segundo semestre, durando 24 meses.

O prédio será totalmente reaproveitado. O que precisava ser derrubado já foi feito.

O projeto do aquário recebeu uma adesão de peso em agosto de 2009, quando a Coca-Cola fechou acordo com a construtora para se tornar uma das patrocinadoras do projeto, por um prazo de 12 anos. Na ocasião, foi informado que um fundo de investimento seria criado para tirar a obra do papel, com a venda de títulos no mercado financeiro. O orçamento da obra na época era de cerca de 110 milhões, e a inauguração foi marcada para agosto de 2012. Na ocasião, o prefeito Eduardo Paes comemorou o patrocínio:

Pela primeira vez, os empreendedores conseguiram um patrocínio de peso, que é o da Coca-Cola, e me parece que o projeto começa a ficar mais factível disse o prefeito, na época.

Quase quatro anos depois, o orçamento da obra aumentou. Segundo a Kreimer, o projeto deverá custar R$ 140 milhões, e os recursos sairão da venda dos títulos ao mercado. O presidente da empresa não dá muitos detalhes da operação financeira, alegando estar em período de sigilo imposto pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM), mas a ideia é formar um leque de investidores que apliquem recursos no empreendimento através de cotas.

Iniciaremos uma emissão de papéis até agosto. Será um fundo de investimento em que as pessoas poderão ser cotistas. A obra do aquário será feita dessa forma. Já temos também um patrocinador acertado, que é a Coca-Cola, e outros em negociação afirma Kreimer.

A construtora diz que o projeto ficou mais caro porque parte do design do telhado do prédio foi modificada. A cobertura, que seria côncava, ganhou formato de onda e será coberta de placas para captação de energia solar. Ainda de acordo com Kreimer, o desenvolvimento do projeto educacional e de pesquisa do aquário também sofreu modificações.

Fechamos convênios com duas universidades. Uma delas terá um centro de pesquisa em uso de energia alternativa no aquário, como a solar e a eólica, e essas pesquisas farão parte da exposição. A outra instituição terá um centro de pesquisa de biologia marinha.

O projeto chegou a ser anunciado outras vezes. A ideia de criar um aquário na Zona Portuária começou a ser discutida em 2001, quando a prefeitura anunciou um plano diretor de revitalização da área. A prefeitura informou, à época, que estava escolhendo o melhor local. Na ocasião, os planos para o frigorífico da Cibrazem eram outros: ele seria transformado num centro de artesanato, gastronomia, cultura e comércio, a um custo de R$ 10 milhões.

O projeto estava ligado à construção de uma via paralela à Avenida Rodrigues Alves, que deveria seguir em sua maior parte pelos caminhos dos trilhos de um extinto ramal ferroviário. Chamada hoje de Avenida Binário, a via paralela já está sendo feita dentro do projeto Porto Maravilha. Mas o centro comercial e cultural não saiu do papel, dando lugar ao projeto do aquário. Inicialmente, ele começaria a ser construído em 2007. Dois anos depois foi novamente anunciado.

O frigorífico da Cibrazem foi desativado no início da década de 90. Os prédios são o retrato do abandono: várias janelas estão quebradas e parte dos telhados desabou.

Nenhum comentário: