quinta-feira, 21 de fevereiro de 2013

Niterói cada vez mais valorizada

17/02/2012 - O Fluminense, Bruno Uchôa

Metro quadrado da cidade é o 3º mais caro do País apoiado no aumento da renda. Aliado a isso, o Produto Interno Bruto (PIB) do município cresceu 59% em 4 anos

Aumento de renda e ótima qualidade de vida fizeram Niterói se destacar e atingir a terceira colocação entre as cidades com os imóveis mais valorizados do País, segundo levantamento da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe). De acordo com índice, o metro quadrado no município está valendo em média R$ 6.477, abaixo apenas de São Paulo (R$ 6.922) e do Rio de Janeiro (R$ 8.711). De acordo com o estudo, o metro quadrado de Niterói também foi o que mais valorizou no último mês, com elevação de 5,4%.
O Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) de Niterói, que é o maior do estado e o terceiro do País, é apontado por especialistas como um dos principais responsáveis pela valorização da cidade. A qualidade de vida se tornou uma marca da cidade. Aliado a isso, o Produto Interno Bruto (PIB) do município cresceu 59% entre os anos de 2005 e 2009.
"A cidade tem uma qualidade de vida impecável, uma das cinco melhores em todo o País. Então todo mundo quer morar aqui e não quer sair. Também houve nos últimos anos um aumento de renda significativo da população que elevou a capacidade de compra dos próprios moradores", avaliou o diretor da Associação das Empresas do Mercado imobiliário (Ademi Niterói), Naum Ryfer.
De acordo com ele, outro fator também contribuiu para que o metro quadrado da cidade se valorizasse tanto a ponto de rivalizar com as duas principais capitais do País.
"A cidade é compacta. Há poucos locais disponíveis para construção devido à legislação rígida em relação ao gabarito dos prédios. Em muitos bairros, a construção não podem ter muitos andares", ressaltou Ryfer.
O diretor da Ademi Niterói lembrou ainda que entre 85% e 90% dos imóveis vendidos são para moradores ou famílias da própria cidade. Dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), apesar da valorização, apontam que a cidade não atraiu uma quantidade grande de novos moradores. O crescimento populacional de Niterói foi de apenas 6% entre 2000 e 2009.
"Esse percentual corresponde ao aumento vegetativo (mortes contra nascimentos). Ou seja, não houve aumento populacional na cidade. O que aconteceu é que os próprios filhos dos moradores estão crescendo, se casando e comprando a casa própria na cidade. Os moradores do Rio não vieram para Niterói", analisou Ryfer.
O índice da Fipe contabilizou os preços em 16 cidades: Niterói, São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Brasília, Recife, Fortaleza e Salvador, Porto Alegre, Curitiba, Florianópolis, Vitória, Vila Velha, Santo André, São Bernardo do Campo, São Caetano do Sul e Niterói.
Tadeu Generoso, gerente de vendas da Carvas, também lembra os investimentos que a Região Leste Fluminense está recebendo.
"O Comperj (Complexo Petroquímico do Estado do Rio de Janeiro) também influenciou muito. Os trabalhadores mais qualificados do polo vão morar em Niterói", antecipa Generoso.
Além de todos estes fatores, de acordo com o diretor da Grupo Imóveis, José Fernando Nunes, a configuração da cidade a torna também mais atraente.
"Niterói está perto do Rio e de São Paulo. Se a pessoa quer um clima de serra opta por Pendotiba. Se preferir morar em um local mais parecido com a Região dos Lagos, vai para a Região Oceânica. Já se prefere o estilo das grandes cidades, com muito movimento, pode ir para Icaraí", destaca Nunes.
Charitas é o bairro mais valorizado de Niterói, de acordo com o levantamento. O metro quadrado vale R$ 8.210 e valorizou mais de 15% nos últimos 12 meses. Em segundo lugar aparece Boa Viagem, com R$ 8.038. O bairro valorizou mais de 25%.
"Boa Viagem tradicionalmente é muito valorizado. Já Charitas é um fenômeno recente. São condomínios modernos e novos em um bairro muito pequeno e com poucos terrenos disponíveis para construção", constata o gerente de vendas da Carvas.
Sobre o bairro mais valorizado, Naum Ryfer acrescenta que só é permitida a construção de empreendimentos com, no máximo, seis pavimentos, o que reduz a oferta e valoriza ainda mais o metro quadrado.
"É a lei da oferta e procura que age em Charitas. Todo mundo quer morar lá e vão querer comprar de qualquer jeito", destaca.
Na terceira colocação entre os mais valorizados está o vizinho São Francisco, cujo metro quadrado vale R$ 7.735. Já o tradicional bairro de Icaraí tem o quarto metro quadrado mais caro, custando R$ 7.226. Gerente da Tempo Imóveis, Licinio Magalhães destaca os novos edifícios do bairro.
"Estrategicamente, os lançamentos estão muito bem localizados e isso os valorizou e deixou o bairro mais bonito. Por tabela, elevou os preços dos usados também."

Nenhum comentário: