domingo, 31 de janeiro de 2016

Inaugurado há um mês, Museu do Amanhã apresenta sinais de maus tratos

30/01/2016 - O Dia

Espelhos d'água estão com aspecto de abandono, com água suja e esverdeada

O DIA

Rio - Inaugurado com pompa e circunstância há pouco mais de um mês, após cinco anos de obras, três anos de atraso e mais de R$ 200 milhões consumidos, o Museu do Amanhã, na Praça Mauá, desenhado pelo renomado arquiteto espanhol Santiago Calatrava, já apresenta sinais de maus tratos.

Os espelhos d’água que deveriam embelezar o entorno do prédio estão com aspecto de abandono, com a água suja, esverdeada, muito diferente do que foi visto na inauguração, que teve a presença da presidente Dilma Rousseff, do governador Luiz Fernando Pezão e do prefeito Eduardo Paes. 

Inaugurado há um mês, Museu do Amanhã apresenta sinais de maus tratos
Foto: Maíra Coelho / Agência O Dia

A administração do Museu do Amanhã admitiu o problema em nota enviada ao DIA, e prometeu empenho para encontrar uma solução. “Atualmente, a limpeza dos espelhos d’água é realizada por sucção de resíduos. Visualmente, no entanto, o resultado não está a contento. A limpeza da água salgada, com o menor risco ambiental possível, exige estudo aprofundado”, informou. Um grupo de trabalho foi criado para discutir a “melhor maneira de fazer a clarificação”.

O espaço, que tem atraído milhares de pessoas nas últimas semanas, com filas de até quatro horas, ficará fechado no período do Carnaval, segundo a administração, por conta dos blocos de rua que ocuparão a Praça Mauá.

quinta-feira, 14 de janeiro de 2016

Trecho da Rio Branco fecha definitivamente ao tráfego no sábado

13/01/2016 -  O Globo

RIO- O ano de 2016 começará com novas mudanças no trânsito do Centro, para permitir que o trecho da Avenida Rio Branco entre a Avenida Nilo Peçanha e a Rua Santa Luzia seja bloqueado em definitivo ao tráfego de veículos (exceto as composições de VLT e bicicletas). O prefeito Eduardo Paes anunciou nesta quinta-feira no "RJ-TV" que, em janeiro, terá início a implantação do projeto para construir o chamado Boulevard Rio Branco, como parte das mudanças urbanísticas da cidade para as Olimpíadas, em agosto. Segundo a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET-Rio), o bloqueio começará no dia 16 de janeiro.

No futuro Boulevard Rio Branco, estão localizados, num trecho de 750 metros, prédios de interesse histórico e cultural, como o Teatro Municipal, a Biblioteca Nacional e o Museu Nacional de Belas Artes. Ali, pedestres vão dividir o espaço com as linhas do VLT e bicicletas que circularão numa ciclofaixa próximo ao canteiro central. O lugar terá calçamento de paralelepípedos, passagens de pedestres em granito e trechos gramados.

No dia 16 de janeiro, o projeto prevê mudanças na circulação da Avenida Nilo Peçanha, entre as avenidas Rio Branco e Graça Aranha, que terão o sentido do tráfego invertido para que o trânsito seja direcionado no sentido Avenida Beira-Mar. Ao chegar à Nilo Peçanha, o fluxo desses veículos será dividido entre vias paralelas, como a Avenida Graça Aranha, de onde os motoristas poderão acessar, por exemplo, o Aterro do Flamengo.

Até o dia 30 de abril, outras mudanças no trânsito serão feitas, em data ainda não definida, em mais dez vias da cidade: Rua da Carioca; Rua da Assembleia; Avenida Presidente Antônio Carlos; Rua Araújo Porto Alegre; Rua Senador Dantas; Rua do Passeio; Rua Luis de Vasconcelos; Avenida Mestre Valentim; Avenida Teixeira de Freitas e Avenida República do Paraguai.

As mudanças exigirão a implantação de novas sinalizações, incluindo pintura de faixas, além da instalação de novas placas de orientação e sinais. À medida que cada mudança ocorrer, os motoristas serão informados por painéis de mensagens, operadores de tráfego e faixas afixadas nas proximidades das vias atingidas. Pontos de coletivos também serão alterados. Os ônibus do consórcio Intersul seguirão para os terminais Padre Henrique Otte (próximo à Avenida Rodrigues Alves) e Procópio Ferreira (Central do Brasil). Os do Internorte, para o terminal Misericórdia (na Avenida Churchill). Já os ônibus do consórcio Santa Cruz serão destinados ao terminal Procópio Ferreira, enquanto os do consórcio Transcarioca se dividirão entre os terminais Padre Henrique Otte e Misericórdia. As linhas intermunicipais seguirão para os terminais Menezes Cortes e Américo Fontenelle.

Com as mudanças, a circulação de carros, ônibus e táxis será permitida apenas no trecho da Avenida Rio Branco entre a Praça Mauá e a Nilo Peçanha. Além do VLT (no lado ímpar da via), será criada uma faixa seletiva para os ônibus das linhas troncais da Zona Sul e duas faixas destinadas a carros.

A previsão é que as obras na Rio Branco terminem até abril de 2016, com a implantação de uma primeira linha de VLTs entre a Rodoviária e o Aeroporto Santos Dumont. A linha Central-Praça Quinze fica para o segundo semestre.

sábado, 9 de janeiro de 2016

Trecho de 600 metros da Rio Branco fecha a partir do próximo sábado

09/01/2016 - O Dia

Ao todo 82 linhas de ônibus mudam trajeto

O DIA

Rio - No próximo sábado, às 14h, um trecho de 600 metros da Avenida Rio Branco, entre a Nilo Peçanha e a Santa Luzia, terá o trânsito fechado definitivamente. No local, por onde atualmente circulam ônibus e táxis, será construído um boulevard, para a passagem do Veículo Leve sobre Trilhos (VLT), pedestres e ciclistas, que terão à disposição uma ciclovia, como mostram as novas imagens a que O DIA teve acesso.

Veja foto do projeto de revitalização da Avenida Rio Branco

A previsão é de que as obras sejam concluídas em abril. Antes disso, porém, daqui a uma semana, os cariocas terão de enfrentar mais mudanças nas ruas do Centro. Ao todo, 82 linhas de ônibus que passam pela região terão os trajetos modificados. 

O novo trecho entre Nilo Peçanha e Santa Luzia será destinado somente ao VLT, pedestres e ciclistas
Foto: Divulgação

Os coletivos que vêm pela Rio Branco atualmente serão desviados pela Avenida Nilo Peçanha e seguirão pela Graça Aranha. A Nilo Peçanha, que funciona atualmente em mão dupla, passará a ter sentido único em direção ao castelo, da Rio Branco até a Rua Debret. Esta também muda de direção entre a Avenida Almirante Barroso e a Rua Araújo Porto Alegre.

Dois pontos de ônibus na Rio Branco serão desativados e serão criadas paradas intermediárias na Avenida Graça Aranha e na Rua da Assembleia. Além disso, alguns ônibus que têm paradas finais na Nilo Peçanha terão os pontos alterados também.

Na Cinelândia, os pedestres vão ter a área da praça expandida, já que não haverá mais as pistas para os carros. Há também canteiros com vegetação no projeto de paisagismo. A previsão é de que a primeira linha do VLT, entre a Rodoviária Novo Rio e o Aeroporto Santos Dumont, passando pela Avenida Rio Branco, comece a operar comercialmente até junho. A primeira composição, a João do Rio, já circulou, em testes, apenas na Zona portuária.

Prédios históricos, como o Museu de Belas Artes e Theatro Municipal, serão realçados e Cinelândia ganha área
Foto: Divulgação
A segunda linha, entre a Central do Brasil e a estação das Barcas, na Praça 15, que passará pelo Campo de Santana e Rua da Carioca, tem previsão para ser inaugurada no segundo semestre deste ano.
O circuito total do VLT terá 28 quilômetros e 29 paradas abertas, além de três estações fechadas com roletas (na Central, na Praça 15 e na Rodoviária Novo Rio). A Parada dos Museus é a primeira já construída.

Zona Sul e Barra têm alterações

Na Zona Sul, mais mudanças nas linhas começam hoje. As linhas 143, 161, 162, 170, 172, 173 e 178 deixaram de circular. Elas foram substituídas pelas novas troncais 5 (Alto Gávea - Central, via Praia de Botafogo), 9 (São Conrado - Central, via Jardim Botânico e Túnel Santa Bárbara) e a 10 (General Osório - Cruz Vermelha, via Jd. Botânico e Lapa), além da linha 112 (Alto Gávea - Rodoviária , via Túnel Rebouças – Circular).

Já na Barra da Tijuca, o governo estadual adiou para hoje a abertura do sentido Zona Sul das novas pistas expressas elevadas da Avenida Armando Lombardi, anunciada inicialmente para ontem. As duas faixas próximas à calçada, no mesmo sentido, passarão a ser destinadas somente ao trânsito local e aos ônibus. 

Na segunda etapa de liberação das novas pistas, prevista para fevereiro, a pista elevada construída no sentido Recreio será liberada ao trânsito. Com o projeto de melhoria viária, a Armando Lombardi passará a ter cinco faixas em cada sentido. Além das pistas elevadas, estão sendo construídas no local, como parte do projeto da Linha 4 do metrô, dois retornos subterrâneos e uma travessia de pedestres.

terça-feira, 5 de janeiro de 2016

Plano de Mobilidade para Olimpíada prevê mudanças no trânsito do Rio de Janeiro

04/01/2016 - EBC Agência Brasil

Para garantir a mobilidade durante os Jogos Olímpicos Rio 2016, entre 1º e 28 de agosto, a cidade do Rio de Janeiro terá 260 quilômetros de faixas prioritárias e acesso aos locais de competição somente por transporte público. Pintadas de verde, as faixas vão dar prioridade à passagem dos atletas para os locais de prova, veículos credenciados e oficiais, de forças de segurança e emergência.

O acesso do público, de voluntários e de funcionários terceirizados aos locais de competição só poderá ser feito por transporte público e com a utilização do Cartão Olímpico, sem limite de viagens diárias, válido para todos os modais de transporte público da cidade. O cartão estará disponível para a população em geral e permitirá também o embarque sem validação nas catracas no final das partidas. Todos os trajetos para as instalações esportivas serão atendidos por BRT (Bus Rapid Train), trem ou metrô.

Os 5,5 milhões de cartões serão divididos pelas quatro zonas dos Jogos: Barra (52%); Maracanã (29%); Deodoro (12%) e Copacabana (7%). Válidos somente no período das Olimpíadas, os cartões podem ser comprados para um dia (R$ 25), três dias (R$ 70) e sete dias (R$ 160). A compra poderá ser feita pela internet com entrega nacional mediante pagamento de taxa. Os cartões serão aceitos fora do município do Rio apenas em estações de trem da Supervia e na estação das Barcas na Praça Araribóia, em Niterói.

A estimativa da prefeitura é receber cerca de 450 mil turistas durante os Jogos Olímpicos e Paraolímpicos. Cada uma das quatro principais zonas definidas para as competições – Barra da Tijuca, na zona oeste; Maracanã e Deodoro, na zona norte; e Copacabana, na zona sul – terá plano de mobilidade específico, com base na capacidade de assentos e na demanda por transporte público até os locais de competição.

O secretário municipal de Transportes, Rafael Picciani, lembrou que uma série de intervenções estão em curso para garantir o bom fluxo de passageiros pela cidade a partir de agosto.

“A cidade este ano recebe a expansão do BRT no Lote Zero, ligando a Alvorada até o Jardim Oceânico, o BRT Transolímpica e um trecho da Transbrasil ligando o Fundão ao centro da cidade, além da extensão do metrô até a Barra da Tijuca. Isso vai dar ao cidadão carioca uma nova rede à sua disposição e pode ter certeza que funcionará nos jogos e funcionará ainda melhor ao fim das Olimpíadas”, disse.

A circulação de veículos pelas faixas especiais será orientada por três tipos de prioridade: nas chamadas faixas dedicadas (164 km no total), somente os veículos olímpicos poderão passar. Haverá monitoramento por radares eletrônicos durante 24h. Nas faixas prioritárias (60 Km), os veículos com credenciais olímpicas vão dividir a pista com ônibus e táxis. Já nas faixas compartilhadas (36 Km), os veículos de passeio também poderão circular.

Entre as vias que terão faixas exclusivas 24 horas estão a Linha Amarela, a Avenida das Américas, na zona oeste; o Túnel do Joá e o Aterro do Flamengo, na zona sul. Entre as vias compartilhadas está a Autoestrada Lagoa-Barra, por exemplo. Na Zona Sul, a Avenida Niemeyer será totalmente fechada ao trânsito para a passagem exclusiva dos veículos olímpicos e de moradores. Durante os Jogos, também serão implantadas alterações nos horários da área de lazer na zona sul, com suspensão do fechamento do Aterro do Flamengo para carros aos domingos e feriados. Em Copacabana e Ipanema a área de lazer será mantida, com exceção dos dias de provas de ruas.

Outras mudanças

A prefeitura ainda estuda se decretará feriado ou ponto facultativo no município em alguns dias dos Jogos e se vai reduzir vagas públicas de estacionamento. Serviços como coleta de lixo domiciliar e reparos em vias públicas poderão ter horários alterados, bem como as autorizações para carga e descarga. A secretaria está desenvolvendo um aplicativo para celular, em diferentes idiomas, que dará informações em tempo real sobre a rede de mobilidade do Rio, trajetos de trens, ônibus municipais, BRT, metrô e barcas e as instalações esportivas.

segunda-feira, 4 de janeiro de 2016

Faltando oito meses, Rio está quase pronto para os Jogos Olímpicos

02/01/2016 - Terra

A cidade do Rio de Janeiro já respira a realização dos Jogos Olímpicos, competição que vai acontecer no segundo semestre do próximo ano. Por todos os cantos da cidade, as obras estão no caminho da população, como a lembrar o encontro marcado com o maior evento do esporte mundial. E um grande esquema de segurança está sendo montado para garantir que a competição acontecerá sem qualquer transtorno para a população e turistas que estarão presentes.

O cidadão carioca espera que todo o transtorno que está sendo causado à vida da cidade se transforme em benefícios após o final da competição que reunirá atletas de todo o mundo. A prefeitura do Rio de Janeiro garante que a cidade será transformada, para melhor, ao final dos Jogos Olímpicos.

Entre outros equipamentos que ficarão à disposição da população, o prefeito Eduardo Paes destaca a Arena do Futuro, com capacidade para 12 mil pessoas,que receberá as competições de handebol, na Olimpíada e goalball, na Paralímpiada. É uma instalação temporária que será desmontada para se transformar em quatro escolas municipais. Cada unidade terá capacidade para receber 500 alunos.

Serão duas escolas na Barra da Tijuca, uma em Jacarepaguá e outra em São Cristovão, na Zona Norte. O projeto, classificado como arquitetura nômade, é considerado um dos mais ousados do Parque Olímpico, área de 1,18 milhão de metros quadrados onde estarão concentradas as disputas de 16 modalidades olímpicas e 10 paralímpicas.

O custo da montagem das escolas após os jogos será de R$ 31 milhões. Do Complexo Esportivo de Deodoro sairá a segunda maior área de lazer da cidade, chamada de Parque Radical. No local, haverá um lago artificial com tobogãs e uma pista de ciclismo BMX.

Obras esportivas

Recentemente, a Empresa Olímpica Municipal, órgão criado para administrar a realização das obras, divulgou um balanço para mostrar a evolução dos trabalhos. Eis o quadro atual de alguns dos principais equipamentos que serão utilizados durante os Jogos Olímpicos:

Engenhão - Quando o Estádio Nilton Santos, ex-João Havelange, foi construído para a disputa dos Jogos Pan americanos, em 2007,foi prometido que todo o entorno da região onde se localiza a praça de esportes seria modificado. Nada foi feito, na ocasião. Agora, a prefeitura garante que as obras serão realizadas. A região do estádio do Botafogo vai ganhar uma praça (Praça do Trem), com restauração de antigos galpões – um deles abrigará a Nave do Conhecimento Olímpica. As principais ruas do entorno serão reurbanizadas. Os moradores vão ganhar também uma ciclovia com dois km de extensão. A previsão de entrega é ao final do primeiro trimestre de 2016.

O Estádio Aquático terá 18 mil lugares e uma estrutura permanente que, após os jogos, se transformará no centro administrativo do Centro Olímpico de Treinamento para atletas de alto rendimento. O local receberá as competições de natação Olímpica e Paralímpica e competições de polo aquático nas Olimpíadas. De acordo com o projeto original, as duas piscinas, as arquibancadas e a cobertura, com estruturas metálicas modulares desmontáveis, serão deslocadas para locais onde a população carente poderá ter acesso gratuito ao esporte, segundo a prefeitura.

O Complexo Esportivo de Deodoro vai receber 11 modalidades olímpicas e quatro paralímpicas. Ao fim dos Jogos Olímpico, o circuito de canoagem slalom e a pista de BMX vão fazer parte do Parque Radical, o segundo maior da cidade, atrás apenas do Parque do Flamengo (Aterro), na Zona Sul. Já o campo de Golfe está sendo construído na Reserva de Marapendi, a 9 km da Vila Olímpica e Paraolímpica. O espaço terá capacidade para 25 mil lugares.

O Centro Internacional de Transmissãovai custar R$ 1,67 bilhão e será destinado às emissoras de TV e rádio. O IBC ocupará terá 85 mil m² de área construída e capacidade para receber 10 mil pessoas. A obra foi iniciada em outubro de 2013 com recursos da iniciativa privada. A entrega está prevista para o segundo trimestre de 2016.

Obras urbanas

O VLT (veículo leve sobre trilhos) está sendo apontado como uma verdadeira revolução no trânsito da cidade do Rio de Janeiro. Ao custo total de R$ 1,18 bilhão, o VLT terá 28 quilômetros e 32 paradas. Vai conectar a Região Portuária ao Centro e ao Aeroporto Santos Dumont e previsão é que seja integrado com metrô, trens, barcas, BRT e o teleférico da Providência. Deve beneficiar 300 mil pessoas e sua entrega está prevista para o segundo trimestre de 2016, pouco antes do início dos jogos.

O Elevado do Joá está sendo ampliado para melhorar o acesso entre a Zona Sul e a Barra da Tijuca. Estão sendo construídas duas novas pistas e dois novos túneis paralelos aos atuais com cinco km de extensão. Também está sendo concluída uma ciclovia no viaduto atual, com vista para a praia de São Conrado. A obra deve ser entregue no segundo trimestre do próximo ano, ao custo de R$ 457,95 milhões

A construção da linha 4 do Metrô está orçada em quase R$ 9 bilhões e conta com recursos estaduais, federaise da iniciativa privada para a execução da obra que está sendo tocada pelo Governo do Estado. Serão seis estações (Jardim Oceânico, São Conrado, Gávea, Antero de Quental, Jardim de Alah e Nossa Senhora da Paz) e aproximadamente 16 km de extensão, entre a Barra da Tijuca e Ipanema. As obras foram iniciadas em junho de 2010 com recursos do governo estadual e privados.

Outro equipamento que deve se tornar muito importante para a população é a BRT Transolímpica que vai atender 70 mil passageiros por dia e que pretende reduzir o tempo de viagem entre a Barra da Tijuca e Deodoro em 54%. Segundo informações dos construtores, serão 26 km de extensão (13 km de Via Expressa) e 17 estações. O BRT terá 59 km de extensão com 66 estações/terminais. Vai custar R$ 2,39 bilhões e o projeto prevê ligação com a Transcarioca, em Curicica (Jacarepaguá), com a Transoeste (Recreio dos Bandeirantes) e com trens da Supervia, em Deodoro.

As obras do Porto Maravilha tiveram o objetivo de recuperar a infraestrutura urbana da Região Portuária, uma área total de 5 milhões de m², ao custo de oito bilhões. São 70 km urbanização de ruas e vias, além da construção de quatro túneis e a renovação de praças e sistemas de transportes. O Museu do Amanhã, que começou a ser erguido em 2012, já foi entregue à população.

Durante anos, a região da Praça da Bandeira sempre foi um problema para os cariocas. Uma chuva forte inviabilizava o trânsito na região e prejudicava a vida das pessoas que tinham suas casas alagadas. As obras contra enchente, ao custo de R$ 589,94 milhões, pretendem resolver, definitamente, este problema. Estão sendo construídos cinco reservatórios para retenção da água de chuva, O primeiro foi inaugurado em dezembro de 2013.

Poluição

Ao se candidatar para sediar os Jogos Olímpicos, as autoridades do Rio de Janeiro assumiram o compromisso de coletar e tratar 80% do esgoto despejado na Baía de Guanabara, mas já se sabe que a meta não será cumprida. Para amenizar a situação, serão instaladas ecobarreiras e ecobarcos para controlar o lixo flutuante e evitar que ele interfira na navegação e na prática de esportes.

Segurança

O esquema de segurança para os Jogos Olímpicos de 2016 deverá ser o maior da história do país. Dos 47.599 homens que trabalharão diretamente no Estado do Rio de Janeiro: 18.500 são da PM, 1.822 da Polícia Civil, 4.620 do Corpo de Bombeiros e Defesa Civil, 3.500 são da Polícia Federal, 2 mil são da Polícia Rodoviária Federal, 1.734 são do Departamento Penitenciário, 5.810 são da Guarda Municipal e 9.613 são da Força Nacional de Segurança (FNS), que está sob o comando do diretor Nazareno Marcineiro.O secretário de Segurança do Rio, José Mariano Beltrame, garrante que todas as forças policiais do Estado estarão envolvidas na realização dos Jogos. As folgas serão suspensas porque a intenção é dar tranquilidade total para atletas e público durante a realização do maior evento esportivo do mundo.

Segundo o assessor especial para Grandes Eventos do Ministério, General Luiz Felipe Linhares.será criado o Centro Integrado de Enfrentamento ao Terrorismo. Todas as forças de segurança do país trabalharão de forma integrada com a mobilização de 85 mil pessoas.

A novidade para os Jogos Rio 2016 em relação a outros grandes eventos realizados na cidade desde o Pan de 2007, é o Centro de Inteligência, que será voltado especialmente para ações contra terrorismo. Os homens da FNS vão cuidar especificamente das instalações, dos locais de eventos-teste, hospedagem, centro de mídia e arbitragem.

O governo federal investiu cerca de R$ 1,170 bilhão na segurança do evento, além dos outros R$ 350 milhões que estão sendo investidos pelo Comitê Rio 2016. Segundo ele, desde a Copa das Confederações, em 2013, equipamentos e bens usados na segurança dos eventos estão ficando de legado para a segurança do Rio.