quinta-feira, 28 de junho de 2012

Prefeitura inaugura mergulhão e viaduto em Madureira

25/05/2012 - Jornal do Brasil

Comemorando os 399 anos do bairro de Madureira, o prefeito Eduardo Paes inaugurou hoje o Mergulhão Clara Nunes e a duplicação do Viaduto de Madureira. O mergulhão é a primeira obra concluída da Transcarioca, corredor expresso que vai ligar a Barra da Tijuca ao Aeroporto Internacional Tom Jobim, na Ilha do Governador.

O prefeito chegou acompanhado do senador Francisco Dornelles e do secretário de Obras Alexandre Pinto e foram  recebidos pelas baterias da Portela e Império Serrano. Paes  aproveitou para anunciar duas outras obras que beneficiarão os moradores do suburbio carioca. No sabado(26), será inaugurada a nova quadra da Império Serrano, e em três semanas será aberto o Parque de Madureira, que com 100 mil m² será o terceiro maior parque da cidade.

“Não é qualquer parque não. É um enorme espaço de lazer com quadra de samba, lan house pública, um lago, e até uma queda d’agua copiada de um parque em París. Como a população do bairro merece”, enfatizou o prefeito.


Obras fazem parte da BRT Transcarioca. Vias serão liberadas a partir de sábado, antes mesmo da inauguração do corredor expresso, cuja conclusão está prevista para o final de 2013. Fotos: Douglas Shineidr / Jornal do Brasil

Clique para ver mais fotos
As intervensões representam uma importante mudança para os motoristas da região. O local era um cruzamento de quatro vias(Rua Cândido benicio, Estrada Intendente Magalhães, Rua Domingos Lopes e Rua Ernani Cardoso) e diariamente causava um nó no transito. Com o mergulhão,  os cruzamentos foram eliminados e os carros poderão seguir direto para a Rua Domingos Lopes.

O secretário de Obras, Alexandre Pinto, afirmou que com as obras os motoristas economizarão bastante tempo de travessia na região.

“ Esse ponto era um dos maiores nós que havia na cidade. Tenho certeza que, com esse conjunto de obras, os cariocas vão ganhar pelo menos 20 minutos no deslocamento diário”, afirmou Alexandre Pinto.

Às 13h30 o acesso ao mergulhão foi liberado e os carros começaram a circular. Construído em 14 meses, o mergulhão tem 400 metros de extensão e quase 40 metros de largura em sua parte maior, onde irá receber uma estação de embarque e desembarque do BRT Transcarioca.

Em homenagem à Zona Norte, o mergulhão ganhou dois painéis de azulejos decorados, com 80 metros de comprimento cada e os escritos “Eu Sambo, Eu Jongo e Eu Rio”. O conceito foi inspirado na musicalidade dos subúrbios cariocas.

O prefeito lembrou que com a conclusão da BRT Transcarioca, prevista para o fim de 2013, os moradores da região ganharão um transporte de qualidade, que irá reduzir em 60% o tempo de deslocamento até a Barra da Tijuca.

“Vai servir para a Copa e as Olimpíadas, mas  fica para o povo do subúrbio”, concluiu.

Parque de Madureira será inaugurado neste sábado

23/06/2012 - R7

Área verde será a terceira maior da cidade

Parque passa por Turiaçu, Rocha Miranda e Madureira

O bairro de Madureira, na zona norte do Rio de Janeiro, ganha neste sábado (23), às 9h, a terceira maior área verde da cidade. O Parque de Madureira é menor apenas que o aterro do Flamengo, na zona sul, e a Quinta da Boa Vista, na zona norte.

O Parque conta com sistema de irrigação para consumo controlado de água, equipamentos com teto e paredes verdes, com controle térmico, controle de resíduos sólidos, reuso de água e iluminação de baixo consumo (LED).

Ao todo são 93 mil metros quadrados de área verde, com mais de 1.200 árvores e opções de lazer, esporte e cultura, como ciclovia, academia, circuito de skate e quadras de vôlei e futebol, entre outras atrações.

A inauguração do parque vai contar com shows de Arlindo Cruz e Marcelo D2, além da participação de sambistas das escolas de Madureira e Oswaldo Cruz.

sábado, 16 de junho de 2012

Alerj aprova tombamento da EF Teresópolis

12/06/2012 - O Globo

A Assembleia Legislativa do Rio (Alerj) aprovou nesta terça-feira, em segunda discussão, o projeto de lei 1.592/08, que tomba, tornando parte do Patrimônio Arquitetônico e Cultural do estado, os sítios históricos da estrada de ferro no município de Teresópolis, na Região Serrana. O texto será enviado ao governador Sérgio Cabral, que terá 15 dias úteis para sancionar ou vetar a proposta.

“Apesar do passar dos anos e do descaso com a memória, o acaso preservou, em Teresópolis, três sítios históricos do trem: a Ponte Sloper, o Pontilhão da Rua São Francisco e o Túnel da Beira Linha. Estes locais guardam a memória do trem, tão importante para o progresso do município, surgido através da Estrada de Ferro”, justifica deputado Alessandro Calazans (PMN), autor do projeto que, se aprovado, torna proibida a descaracterização da antiga linha.

Governo do RJ recebe R$ 3,6 bilhões de empréstimos para obras

12/06/2012 - G1

Recursos serão investidos em programas de mobilidade urbana. 
Segundo a Secretaria de Obras, 14 projetos integram as prioridades. 

O governador do Rio, Sérgio Cabral, assina nesta quarta-feira (13), com a presidente Dilma Rousseff e o presidente do Banco do Brasil (BB), Aldemir Bendine, um empréstimo de R$ 3,6 bilhões para obras de melhoria de infraestrutura rodoviária e mobilidade urbana. Este é o maior empréstimo da história concedido pelo BB. A assinatura será no Palácio Guanabara, em Laranjeiras, na Zona Sul do Rio.
De acordo com informações da Secretaria estadual de Obras, os recursos serão investidos em 14 projetos considerados prioritários para preparar o estado para receber grandes eventos como, a Jornada Mundial da Juventude, a Copa do Mundo e os Jogos Olímpicos. O prazo de execução dos projetos é de quatro anos.
Entre os projetos de mobilidade estão as Linhas 3 (Niterói-São Gonçalo) e 4 do metrô, o arco metropolitano, aquisição de barcas para a travessia Rio-Niterói e o programa Pró-Estadas, com obras de implantação, duplicação e restauração de rodovias, como a RJ-148 (Nova Friburgo).
O governo também vai destinar parte das verbas para projetos de infraestrutura urbana, como o Asfalto na Porta, que prevê pavimentação e sinalização de vias urbanas em 91 municípios. Serão usadas também em obras de urbanização, infraestrutura e esgotamento sanitário em comunidades de baixa renda da Região Metropolitana, obras de contenção de encostas e infraestrutura na Região Serrana, aquisição de equipamentos sociais e terrenos para programas dos municípios e controle de cheias nas regiões Norte e Noroeste do estado.
Visando a Copa de 2014 e as Olimpíadas de 2016, também serão implantados equipamentos turísticos em cidades como Paraty, no Costa Verde, e Cabo Frio, na Região dos Lagos, construção de casas e construções de sedes do programa Companhia de Operações Especiais (COE) e recuperação do complexo de lagoas da Barra da Tijuca e Jacarepaguá e do Canal da Joatinga, na Zona Oeste do Rio. 
 

Além do QG, governo quer vender outros 26 imóveis

14/06/2012 - O Globo

Com intenção de se desfazer de imóveis de sua propriedade, o Poder Executivo enviará, nas próximas semanas, mensagem à Alerj pedindo autorização para vendas

Terreno no Leblon, que abriga três delegacias, está na listagem dos bens que estado pretende vender Rafael Moraes / O Globo
RIO - A intenção do governo do estado de se desfazer de imóveis de sua propriedade vai muito além do Quartel-General da Polícia Militar. O Poder Executivo enviará, nas próximas semanas, mensagem à Assembleia Legislativa do Rio (Alerj) pedindo autorização para vender 27 bens públicos. Além do QG da Rua Evaristo da Veiga, o 2º BPM (Botafogo) e o 6º BPM (Tijuca) estão na lista, assim como o terreno no Leblon que abriga a 14º DP (Leblon), a Delegacia Especial de Apoio ao Turismo (Deat), a Delegacia Antissequestro (DAS) e o Juizado Especial Criminal. Há imóveis considerados desnecessários em outras áreas, como Flamengo, Lagoa, Centro, Lapa, Saúde e Icaraí (Niterói). Da lista constam ainda apartamento, restaurante, igreja, estacionamento e até entidades de classe.

Para justificar a venda dos imóveis, o secretário estadual da Casa Civil, Régis Fichtner, alegou que estão subaproveitados e representam gastos aos cofres públicos. Quanto às unidades das polícias Militar e Civil, as mudanças fariam parte de um novo modelo de gestão da Segurança Pública, que busca reduzir as funções administrativas e disponibilizar mais policiais nas ruas.

BPM de Botafogo perderá 3/4 de área

O batalhão de Botafogo, por exemplo, passará a ocupar apenas um quarto do terreno atual. O restante será vendido. As delegacias instaladas em 3.835 metros quadrados serão verticalizadas, e o imóvel passará a ocupar apenas mil metros quadrados do terreno. O estado não soube precisar em quanto será reduzida a estrutura do 6º BPM, que hoje ocupa 7.730 metros quadrados na Tijuca.

De acordo com a Secretaria de Segurança, atualmente, cerca de 30% do contingente de um batalhão estão em serviços burocráticos internos. A partir do futuro modelo, que foca nas sedes administrativas enxutas e mais policiais nas ruas, esse percentual deve cair para menos de 20%.

Segundo Fichtner, nenhum dos imóveis é tombado, e a venda à iniciativa privada e a pessoas físicas respeitará a lei 8.666/93, que exige a adoção de procedimentos licitatórios.

A gente vem trabalhando nesse sentido há algum tempo, mas os imóveis do estado não estavam com os registros atualizados. Ao longo dos últimos anos, regularizamos os registros dos imóveis para poder dar um destino mais adequado a eles afirmou o secretário.

Apesar de o governo estar convencido dos benefícios da venda desses bens, não sabe o quanto vai arrecadar com as transações, nem de quanto será a economia em relação à manutenção dos espaços. Fichtner afirmou que ainda não foram feitos os laudos de avaliação do atual valor de mercado dos imóveis.

Imóvel no Centro vale R$ 2,7 milhões

No site da Casa Civil, alguns dos bens contam com avaliações feitas entre dezembro de 2010 e janeiro de 2011. O imóvel de dois pavimentos, hoje ocupado pela Igreja Universal do Reino de Deus, na Rua Dois de Dezembro 9, no Flamengo, teve valor de mercado fixado, na época, em R$ 700 mil. Um espaço de 313,54 metros quadrados usado como estacionamento pelo estado foi avaliado em R$ 240 mil em janeiro do ano passado. Já uma sobreloja de um prédio da Avenida Ataulfo de Paiva 269, no Leblon, teve valor determinado em R$ 1,7 milhão. O imóvel de 192 metros quadrados, fica em cima do Teatro Café Pequeno e abriga a Inspetoria Regional da Secretaria de estadual de Fazenda.

Outro imóvel avaliado em fevereiro de 2011 foi um prédio de dois pavimentos na Rua da Constituição 78, no Centro. Na época, seus 671,19 metros quadrados valiam R$ 2,748 milhões. No local, funciona a Associação das Emissoras de Rádio e Televisão do Estado do Rio de Janeiro.

Há ainda um apartamento residencial no prédio da Rua Otávio Carneiro 18, em Icaraí, Niterói, além de um imóvel ocupado pela Igreja Nova Vida, na Avenida Borges de Medeiros 2.345, na Lagoa.

Enquanto a mensagem não chega à Alerj para avaliação dos deputados, moradores do Centro, oficiais reformados e representantes de entidades, inclusive de engenheiros e arquitetos, se mobilizam para impedir a venda do QG da PM à Petrobras, transação avaliada em R$ 336 milhões. O grupo vai realizar um abraço no prédio, às 12h de hoje, em defesa da preservação e manutenção do conjunto arquitetônico.

Para Fischtner, porém, não há dúvidas quanto aos benefícios do negócio para o caixa do estado:

Estamos confiantes de que é a melhor medida administrativa. Salvo a igreja, nada justifica seu tombamento. O batalhão de Botafogo é outra estrutura de uma grandiosidade que é impossível manter, tanto que o aspecto ruim da unidade é notado assim que se entra ali.

Venda de bens públicos esbarra em opositores

Assim como ocorreu com a possível venda do Quartel General da PM, a intenção do estado de se desfazer de outros bens já começa a criar polêmica. O historiador Nireu Cavalcanti considera absurda a demolição de batalhões:

Essas edificações têm a concepção da arquitetura militar e são importantes para se manter a história da instituição.

A mensagem do Executivo encontrará opositores também na Assembleia Legislativa. O deputado Luiz Paulo (PSDB) promete entrar na Justiça contra a venda do QG e analisará a lista com todos os imóveis, mas já vê problemas, por exemplo, no caso do terreno do 2º BPM (Botafogo):

É um crime patrimonial sair vendendo os imóveis do estado dessa forma. Não acho que numa área em frente ao Palácio da Cidade caiba mais prédios.

Escavação dos túneis do Porto Maravilha é iniciada

04/06/2012 - Agência Brasil 

De acordo com a concessionária Porto Novo, detonação será feita de maneira planejada e controlada

 Escavação dos túneis do Porto Maravilha vão durar até o próximo dia 11 (crédito: Divulgação)
ampliar

04/06/2012 - Agência Brasil 

O início da segunda fase do plano de revitalização da zona portuária do Rio começou no último sábado (2). No cronograma das obras, está prevista a escavação de dois túneis no novo sistema viário do projeto Porto Maravilha.

Cerca de 75 profissionais de trânsito conduzirão os bloqueios e a passagem de pedestres, evitando acidentes nas vias que serão bloqueadas nos dias da detonação de explosivos que ocorrerão até o dia 11, das 5h às 21h45, na Praça Mauá. No Morro da Saúde, as explosões serão às 15h ou às 21h, em dias alternados. Já o trânsito no Elevado da Perimetral, que será parcialmente demolido em 2013, sofrerá interdição diferenciada nos dois sentidos, evitando congestionamento.

De acordo com a concessionária Porto Novo, que administra a operação, a detonação será feita de maneira planejada, controlada e segura. Segundo a empresa, por medida de segurança, o processo de implosão será sinalizado pelo toque de sirenes, que ocorrerá sempre quatro vezes por dia, em diferentes etapas.

Ainda de acordo a concessionária, antes de iniciar a segunda fase do processo de detonação, foram feitas simulações nas duas áreas, com a participação de pedestres, motoristas e moradores, que serão comunicados sempre meia hora antes do procedimento.

O projeto Porto Maravilha, orçado em mais de R$ 8 bilhões, é financiado pela venda dos certificados de Potencial Adicional de Construção (Cepacs), e faz parte de uma parceria público-privada. O programa prevê ainda a instalação de rede de água e esgoto, reurbanização de vias públicas, calçadas, museus, entre outras ações que integram o projeto de revitalização da zona portuária carioca.

sábado, 2 de junho de 2012

Secretário de Obras do RJ quer prorrogação imediata das concessões de rodovias

09 /05/2012 - Agência T1

Hudson Braga afirmou que essa seria a maneira mais eficiente de resolver os gargalos nas rodovias do estado.

Descida da Serra das Araras em Piraí (RJ) / Fotografia: Adriano Minervino Azevedo

O secretário estadual de Obras do Rio de Janeiro, Hudson Braga, afirmou que a maneira mais rápida e eficiente de resolver os gargalos nas rodovias do estado é com a prorrogação dos contratos de concessão.

Em audiência pública na Câmara dos Deputados, nesta quarta-feira (09), representantes dos governos federal, estadual e municipal debateram os principais investimentos que precisam ser feitos nas rodovias do Rio de Janeiro.

Entre as obras prioritárias estão a construção do Arco Metropolitano, na BR-493/RJ-109; a duplicação do trecho rodoviário na Serra das Araras, na Rodovia Presidente Dutra (BR-116); a ampliação dos acessos da Ponte Rio-Niterói, com a construção de um viaduto que vai ligá-la diretamente à Linha Vermelha, e a de um mergulhão em Niterói; a ampliação da Avenida do Contorno, na saída da Ponte Rio-Niterói; e a construção da terceira faixa na subida da Serra de Teresópolis na BR-116/ BR-493.

O vice-governador do Rio de Janeiro, Luiz Fernando de Souza, o Pezão, admitiu que o estado não tem estrutura para investir em todas essas obras que são necessárias para desafogar o tráfego na região.

“O estado não tem capacidade para tocar todas as rodovias no Rio. Há um estrangulamento das nossas rodovias. Na Serra das Araras, quase toda semana tem acidente envolvendo caminhões e carretas por conta das curvas perigosas.”

A Serra das Araras é localizada na Rodovia Presidente Dutra (BR-116). Os 8,7 km da Serra das Araras, em Piraí, são considerados um gargalo na área de transportes.

Um estudo da Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (Firjan) mostrou que trecho foi o  é o que mais provocou acidentes por quilômetro, em relação às principais estradas federais do país, superando até mesmo a parte catarinense da BR-101, conhecida como “rodovia da morte”.

O diretor da CCR Nova Dutra, Ascendino da Silva Mendes, disse que o traçado é de 1928 e o trecho não está preparado para a atual demanda de caminhões. Ele afirmou que a concessionária tem interesse e condições de fazer a obra.

Outra obra que beneficiará o transporte do Rio de Janeiro é o Arco Metropolitano, que será concluído em 2013, segundo o ministro dos Transportes, Paulo Sérgio Passos.

A estrada será construída no entorno da Região Metropolitana do Rio (BR-493 e RJ-109) e aliviará o tráfego intenso de veículos, que apenas passam pela capital, provocando congestionamentos nos principais acessos da cidade.

“O Rio de Janeiro tem rodovias importantes e elas estão entregues a exploração da iniciativa privada. Os contratos firmados nas concessões mais antigas não previam os investimentos que nós vemos hoje. Precisamos fazer a execução dessas obras, que são necessárias para desafogar o trânsito.”

O diretor da concessionária Autopista Fluminense, José Alberto, confirmou também a duplicação de 180 Km da BR-101/RJ, até a Ponte Rio Niterói.

“Atualmente, temos a licença ambiental de 60Km. Desses, já estamos tocando forte 30 Km. É uma obra importante, contemplará a Avenida do Contorno, em Niterói, na saída da ponte. Ampliaremos de duas para 4 faixas e mais um acostamento. Com isso, aumentará a fluidez.”

Preço do pedágio

Foto: Divulgação
As rodovias do Rio de Janeiro, sob concessão, tem o custo médio do pedágio mais caro do país. De acordo com um estudo do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), com base em dezembro de 2011, indicou que os motoristas pagam, em média, R$ 12,93 para cada 100 Km rodados. Valor 43% maior do que a cobrada no resto do Brasil, que é R$ 9,04; e 112,72% maior que a média cobrada em estradas federais sob concessão (R$ 5,11).

O instituto também calculou o valor do investimento nas estradas federais, sob administração pública, e aquelas sob concessão. Entre 2003 e 2011, o investimento por quilômetro nas rodovias estaduais e federais concedidas passou de R$ 160 mil para R$ 254 mil, crescimento de 59%. Enquanto o investimento público cresceu acima de 100% no mesmo período.

A malha pública tem aproximadamente 57 mil quilômetros. As rodovias concedidas somam atualmente cerca de 15 mil quilômetros, somando os trechos estaduais.

Estado vende batalhão da Polícia Militar no Centro

22/05/2012 - O Dia, Flavio Araújo

Está aberta a temporada de liquidação de batalhões da PM. O primeiro negócio é uma verdadeira joia: o Quartel General (QG) da corporação, no coração do Centro do Rio, próximo à Lapa e à Cinelândia. O governo do estado confirmou que vai vender o QG à Petrobras por R$ 336 milhões. Na lista estão também os quartéis de Botafogo (2º BPM), Tijuca (6º) e Leblon (23º).
A desocupação do QG foi antecipada pela coluna 'Informe do DIA' na última quarta-feira, dia 16. O terreno, na Rua Evaristo da Veiga, mede 13,5 mil metros quadrados. A Petrobras não confirmou o negócio, mas o Palácio Guanabara, em nota oficial, informou que o QG será completamente demolido pela Empresa de Obras Públicas (Emop) e repassado à petroleira, que deverá erguer mais um arranha-céu no Centro. Pelo serviço de demolição, a Emop será paga pela Petrobras.

O objetivo do governo do estado é reduzir o efetivo aquartelado e aumentar em 20% o número de policiais nas ruas. A administração central da PM será transferida para o Batalhão de Choque, na Rua Salvador de Sá, no Estácio. De acordo com o governo, os recursos obtidos com a venda dos quartéis serão aplicados pela Secretaria de Segurança (Seseg) em equipamentos e capacitação da Polícia Militar. 
Sobre novas bases para as tropas dos batalhões de Botafogo, Tijuca e Leblon, a Seseg informou que há projetos em desenvolvimento na Emop para a construção de sedes administrativas menores e mais modernas que os antigos quartéis.
O governo do estado informou ainda que o terreno do 23º BPM será usado até 2016 como canteiro de obras da Linha 4 do metrô. A região, uma das mais caras da Zona Sul, deverá valorizar ainda mais com a inauguração da Linha 4.
Deputado pede tombamento do QG
Os planos do governo de vender os batalhões da PM podem esbarrar na legislação. O deputado estadual Paulo Ramos (PDT) tem projeto de lei (número 1.342, de março passado) para o tombamento do QG. Para o parlamentar, a decisão precisa pelo menos ser discutida com a sociedade. Na Câmara dos Vereadores, desde 2009 tramita outro projeto de lei para tombar o imóvel.

"Como decidem vender um patrimônio histórico sem consultar todos os interessados? Fiz um requerimento de urgência para que o projeto de tombamento do prédio seja incluído na ordem do dia. O governo não foi eleito para destruir o patrimônio do estado", questiona Ramos.
Segundo o projeto, o prédio do QG sediou o Corpo de Guardas Permanentes, que era comandado por Duque de Caxias, no período de 1832 a 1839. Em 10 de julho de 1865, partiram do local 510 oficiais e praças para lutar na Guerra do Paraguai, sob a denominação de 31º Corpo de Voluntários da Pátria.

Um outro terreno do estado na Rua Visconde de Albuquerque, no Leblon, com cerca de 5 mil metros quadrados, será vendido por cerca de R$ 100 milhões. 

Prefeitura cancela implantação de faixa reversível na Radial Oeste menos de 24 horas após anúncio

30/05/2012 - O Globo

Portaria divulgada no Diário Oficial nesta terça-feira foi revogada devido à suspensão de todas as reversíveis no período da Rio+20, que havia sido determinada no mesmo dia

RIO - Os motoristas que enfrentam o trânsito complicado das manhãs em direção ao Centro na Avenida Presidente Castelo Branco (Radial Oeste) tiveram suas expectativas por melhoras frustradas. Menos de 24 horas após o anúncio, a implantação da fase de testes da reversível na via foi cancelada pela Secretaria Municipal de Transportes. Na terça-feira, a prefeitura havia publicado uma portaria que determinava, a partir desta quarta-feira, o início do funcionamento de uma faixa reversível na pista do sentido Zona Norte da via. A faixa operaria das 6h às 10h. Mas na manhã desta quarta-feira a faixa não foi implantada e, ainda, os motoristas enfrentaram congestionamentos na via desde as 6h30m. Às 11h da manhã, segundo o Centro de Operações da prefeitura, o trânsito na avenida continuava lento.

A assessoria da Secretaria Municipal de Transportes informou que o cancelamento foi feito devido à determinação da suspensão de todas as reversíveis da cidade no período da Rio+20, que tinha sido feita na própria terça. Em nota enviada às 10h10m desta quarta - após o fim do horário previsto para a reversível -, a Secretaria afirmou que em função da realização da Rio + 20 e a consequente suspensão de todas as faixas reversíveis da cidade durante o evento, a CET-Rio optou por adiar a implantação da medida. A secretaria acrescentou ainda que a portaria será revogada e uma nova data para a realização dos testes na reversível será divulgada.

Quando implantada, a faixa funcionará junto ao canteiro central da Radial Oeste, no Maracanã, no trecho entre a agulha construída antes da projeção da passarela de concreto da Estação de Trem Derby Club da Supervia e a agulha construída depois da passarela de concreto da Estação do Metrô São Cristóvão, passando a ter o sentido da primeira para a segunda. A reversível será exclusiva para carros, sendo proibido o tráfego de veículos de carga, ônibus, micro-ônibus e motos.